terça-feira, 15 de novembro de 2016

Santana - Samba Pa Ti (Live at Montreux 2011)

Gosto muito dessa música composta pelo guitarrista mexicano Carlos Santana. Lançada em 1970 como parte do álbum "Abraxas", também pode ser considerada uma homenagem do músico ao samba brasileiro. É considerada um dos grandes êxitos da banda.

Posteriormente em 1982, o porto-riquenho radicado nos Estados Unidos José Feliciano lançou uma versão da música incluindo uma letra de sua autoria e também foi considerado um grande sucesso.
José Feliciano é considerado um dos primeiros músicos latinos a penetrar no mercado norte americano.


Samba Pa Ti - Santana y José Feliciano
Soy la sombra de una pena,

Soy el eco de un dolor.
Triste soledad, que me queda hoy.
El recuerdo de que te amé
Y una extraña desolación, eyy, eyyy.
Soy la sombra de una pena,
Soy el eco de un dolor.
Quiero olvidar, quiero encontrar perdón.
Ten piedad de mi corazón
Yo te imploro mi Señor.
Borraré las tinieblas y esconderé mi llanto
El recuerdo que sufro se volverá un canto.
Volveré a la vida, volveré a cantar, ya verá,
Volveré a la vida, volveré a cantar, ya verá .

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Mercúrio passando entre a Terra e o Sol



Cerca de 13 vezes a cada 100 anos Mercúrio passa entre a Terra e o Sol. O último evento desse tipo ocorreu em 9 de maio de 2016, e registrado pelo Solar Dynamics Observatory, ou SDO, da NASA, entre cerca de 07:12 e 14:42 hs.
O vídeo contém cenas sensacionais do planeta Mercúrio na sua órbita ao redor do Sol. 
Podemos ver a grandeza da estrela que nos aquece e torna possível a vida no nosso planeta.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Cauby Começaria tudo outra vez

Nossa homenagem ao Cauby Peixoto, grande voz desse nosso país. Aqui interpretando Começaria tudo outra vez, do grande Gonzaguinha.


Começaria Tudo Outra Vez
Gonzaguinha

Começaria tudo outra vez
Se preciso fosse, meu amor
A chama em meu peito
Ainda queima, saiba!
Nada foi em vão...

A cuba-libre dá coragem
Em minhas mãos
A dama de lilás
Me machucando o coração
Na sede de sentir
Seu corpo inteiro
Coladinho ao meu...

E então eu cantaria
A noite inteira
Como já cantei, cantarei
As coisas todas que já tive
Tenho e sei, um dia terei...

A fé no que virá
E a alegria de poder
Olhar prá trás
E ver que voltaria com você
De novo, viver
Nesse imenso salão...

Ao som desse bolero
Vida, vamos nós
E não estamos sós
Veja meu bem
A orquestra nos espera
Por favor!
Mais uma vez, recomeçar...(3x)

domingo, 3 de abril de 2016

Cantarolando "Wigwam" do Bob Dylan

Ao acordar hoje, peguei-me a cantarolar essa música de Bob Dylan, que acho fantástica, "Wigwam", do seu álbum Self Portrait (Auto Retrato), de 1970. Época do auge de Dylan como ativista pacifista, crítico da entrada dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã em 1965, um conflito sangrento iniciado em 1955, até a saída ocorrida em 1973, dois antes da guerra terminar em abril de 1975. A música é quase um lamento, muito bonita, dessas que a gente torna a ouvir e não enjoa, impregnamo-nos dela.
Particularmente, gosto muito da versão que o Zé Ramalho fez da música, deu um ar místico, o que é muito particular dele.
E você o que acha?
Ótimo domingo para todos.
Abraço.

quarta-feira, 30 de março de 2016

A sabedoria do monge

Refletindo sobre a mensagem abaixo, vemos que a melhor resposta é mesmo o silêncio. Não é uma coisa fácil conseguir esse patamar de calma e tranquilidade quando somos ofendidos, mas é algo essencial que devemos aprender.
Sim pois alguém que nos ofende num nível desses mostra sua ignorância, e aí não existem argumentações que possam demover o intento baixo.

Abraço a todos e um ótimo dia
Ronaldo

A sabedoria do monge
Um monge muito sábio estava visitando um vilarejo com seus discípulos. Na praça principal ele teve a oportunidade de falar publicamente. Todos ouviam o sábio atentamente até que um homem começou a agredi-lo verbalmente, atingindo sua honra pessoal, xingando-o com palavras desagradáveis e duras. O sábio nada disse e os discípulos ficaram inquietos.

O ofensor continuou, desta vez com mais veemência, ofendendo não só a honra do monge, mas a de todos os seus  discípulos também. Por isso mesmo, uma resposta parecia mais necessária. Mas o monge não disse nada.

Numa estocada final, o homem ofendeu todos os antepassados do sábio, a coisa mais desonrosa e agressiva que alguém pode proferir. Mas o monge não respondeu absolutamente nada. Apenas caminhou para longe, seguido por seus discípulos intrigados.

Já afastados da praça, os discípulos resolveram indagá-lo.

– Mestre, nós acompanhamos toda a injustiça que o senhor sofreu e não entendemos por que o senhor, tão sábio não respondeu nada ao seu ofensor.

– Isso mesmo, mestre – disse outro discípulo – ele ofendeu todos os seus antepassados e o senhor nada respondeu! Por que, mestre? Será que podemos ao menos tirar um ensinamento desse momento tão ruim?

E o mestre respondeu:

– Se eu oferecer a você um presente ruim, um rato morto e infestado de peste, você o aceita?

– Claro que não, mestre! – responderam todos em uníssono

– Então, se um homem me oferece o mal, seja materialmente ou com palavras e eu não o  aceito, quem vai embora com ele?

E assim, o mestre e seus discípulos seguiram seu caminho.

domingo, 6 de março de 2016

Lagoa Itatiaia em Campo Grande pede socorro.

Caminhando hoje pela manhã na Lagoa Itatiaia vi com tristeza como está abandonado esse lindo pedaço de Campo Grande-MS.
Calçadas e ruas sujas, bancos que sumiram e outros quebrados, falta de arborização adequada. Fazemos um apelo às autoridades municipais, para que olhem com carinho nossa Lagoa.
Apesar de tudo vale a pena caminhar no local.

Achei muito legal a iniciativa de identificar a espécie de árvore, faltou o nome popular, Tarumã. 


Olha a beleza da Tarumã. A poda necessária pela fiação desfigura sua majestosa copa. 





Aqui tinha um banco. Até quando nosso povo vai compreender que é necessário preservar o que é público. 


Na hora que caminhei não havia ninguém fazendo exercícios. 



As bocas de lobo estavam entupidas e com água parada. 


Ruas sujas e lixo depositado no banco. 


Poucos bancos e alguns quebrados. 



Cadê o banco? 



Lindo espaço. 


faltando manutenção das calçadas. 




quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Em tempos de Dengue, Zika Vírus e Chikungunya, como construir uma armadilha para o mosquito Aedes Aegypti: a Mosquitoeira ou Mosquitérica


A armadilha foi Inventada pelo professor Maulori Cabral, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Mosquitoreia (mosquitérica) é um dos exemplos que podemos seguir e fazer para exterminar o mosquito da dengue.
Vamos fazer para nossas casas, escolas, ambiente de trabalho, hospitais, enfim, não vamos dar trégua para esse mosquito perigoso. E o mais legal, sem uso de inseticidas, utilizando materiais reciclados.
Portanto mãos a obra. 
Os materiais necessários são:
uma garrafa pet de 1,5 ou dois litros
uma tesoura
uma lixa de madeira
um rolo de fita isolante
um pedaço (7 x 7 cm) de tecido chamado micro tule
alpiste ou arroz
Você pode visualizar os passos para construir a armadilha nos endereços:

90% dos casos de suicídio são preveníveis

Recebi um e-mail, da Letícia Camargo, Editora Executiva da Editora EME, que julgo importante divulgar:
Você sabia que cerca de 800 mil pessoas se suicidam por ano no mundo? Que um novo caso de autoextermínio acontece a cada 40 segundos? Esses são os dados da OMS (Organização Mundial de Saúde) de 2014. Há mais casos de suicídios por ano do que de homicídios ou mortes em guerras. Assustador, não?
Ainda segundo a OMS, para cada caso de suicídio consumado, há 20 tentativas.
Porém, mais importante que tudo isso: 90% dos casos de suicídio são preveníveis, porque, de cada 10 casos, 9 estão associados a psicopatologias diagnosticáveis e tratáveis. A primeira delas é a depressão e a segunda é o uso de substâncias psicoativas (álcool, outras drogas, remédios).
Há muito trabalho pela frente, mas, se cada um fizer um pouquinho, conseguiremos prevenir o suicídio e salvar vidas. 
Esta palestra ficará disponível por pouco tempo. Então, assista agora!

domingo, 19 de julho de 2015

Nadica de nada

Lendo a excelente entrevista do cineasta José Padilha, na revista Trip, do mês de junho de 2015, com o título de "Planos de fuga" animei-me a escrever um pouco (talvez seja mais correto dizer desabafar), mesmo não concordando em alguns pontos de vista com ele (ainda bem né?), mas a verdade é que a sociedade brasileira pouco reflete com profundidade sobre seus problemas, sobre possíveis soluções ou melhor dizendo, sobre tentar novos caminhos.
Se necessitamos de uma ampla reforma política, quem está fazendo a reforma? Nós, não!!!!!!!. Quem???? Um congresso imerso num lamaçal de corrupção, a escola superior da malandragem como já disse notório bandido na cara de um congressista. É necessário dizer que mesmo com essa crítica, afirmo que considero a república democrática com eleição livre dos seus representantes em todos os níveis e nos três poderes independentes conforme preconizou Montesquieu, o melhor sistema político já criado pelo homem, sem qualquer sombra de dúvida. Porém o que estamos fazendo para aperfeiçoar esses importantes mecanismos? Nadica de nada.
Se temos um sistema de saúde que tem de um lado um SUS bilionário e caótico e de outro planos de saúde gananciosos e maliciosos. O que fazemos? Absolutamente nada.
Se temos um sistema previdenciário que é uma grande caixa preta e ninguém contesta as ações de pilhagem sobre sua suada poupança obrigatória, e sequer existe um extrato que lhe informa sobre o que você foi obrigado a recolher por toda a vida, mas tem políticos e outros malandros, até de toga, se aposentando com fartos benefícios imerecidos.
O que fazemos? Nadica de nada.
A violência imperando e o que fazemos? Nos iludimos colocando em nossas casas cercas elétricas, mais trincas de segurança ou vamos para condomínios fechados (quem pode né?), ou achando que a simples redução da maioridade penal vai resolver a crucial questão. Ledo engano. E o que fazemos? nadica de nada.
O ensino público tá um lixo? Onde está o modelo de democracia que a universidade deveria exemplificar para o restante da sociedade? E o que fazemos?? Nadica de nada. 
E podemos continuar escrevendo sobre crises em tudo, no transporte público, mobilidade urbana cada vez mais sem mobilidade (rsrsrs), cadê o trem bala??, rodovias precárias, operações tapa buracos indecentes, licitações fraudulentas, o lixo urbano, abastecimento de água em crise no país considerado detentor da maior reserva de água potável do mundo, sistema penal falido, tribunais de conta (de faz de conta), poder judiciário que perdeu o fiel da balança, etc, etc, etc...
Enfim, adianta ficar indignados? Talvez para não aborrecer-nos não entramos a fundo nessas questões que são essenciais para nossa qualidade de vida, pois ficamos achando que é verdade aquele dito que uma andorinha só não faz verão. E aí adotamos a postura errônea de corrermos atrás apenas dos nossos interesses. 
Mas uma hora somos chamados a contribuir com o bem estar comum, com o público, e nessa hora o debate é importante, mas é importante não sermos inflexíveis ante o contraditório. Devemos exercitar sempre o respeito ao outro.
Buscarmos o entendimento, que é sempre um desafio na nossa longa escalada evolutiva, mas isso já é um outro assunto.

terça-feira, 27 de maio de 2014

Civilizações extraterrestres serão descobertas num prazo de 20 anos?

Lendo a notícia publicada em 27/06/2011, na seção Estadão/Ciências,  sobre a humanidade terrena encontrar civilizações alienígenas nas próximas duas décadas, lembrei de Nicolau Copérnico (1473-1543), polonês de Torun, que foi o astrônomo e matemático que desenvolveu a teoria do heliocentrismo, que contrariava a teoria do geocentrismo defendida pela Igreja e que só não foi condenado por heresia (podendo ser condenado a morte em fogueira) por não ter publicado a sua tese.
Hoje felizmente a Igreja perdeu seu status de controlar as informações, do que deve ser publicado ou não. E cada vez mais respeita-se a liberdade de imprensa, oportunizando a cada um acreditar naquilo que a razão lhe permite compreender, como também confrontar uma ideia com outras e com outros interessados.
Lembrei também do Auto de Fé de Barcelona, que ocorreu em 1861, em que o bispo da cidade espanhola ordena a queima de livros espíritas encomendados pelo livreiro Lachâtre ao Sr. Rivail, entre os quais vários exemplares de "O Livro dos Espíritos", que naquela época já falava de habitantes extraterrenos.
Sobre essa questão de civilizações extraterrestres, destacamos uma nota explicativa à pergunta nº 188 em que Allan Kardec pergunta aos espíritos: Os Espíritos puros habitam mundos especiais ou estão no espaço universal sem estarem mais ligados a um mundo que a outro? e respondem:
- Os Espíritos puros habitam certos mundos, mas não estão confinados neles como os homens sobre a Terra; eles podem, melhor que os outros, estar por toda parte.
Aí em nota explicativa, Kardec diz:
"Segundo os Espíritos, de todos os globos que compõem o nosso sistema planetário, a Terra é um daqueles onde os Espíritos são os menos avançados, física e moralmente. Marte seria ainda inferior e Júpiter, o mais superior em relação a todos..." a nota continua ainda com informações sobre o Sol e outros planetas do nosso sistema.
Vejam que essas e muitas outras informações foram publicadas originariamente em 1857 e lentamente a ciência vai confirmando o contido nessa obra magnífica. O que temos que compreender é que existem planos distintos, o material e o imaterial, com faixas vibratórias distintas, exigindo processos de demonstração ainda não assimilados completamente  pela ciência positivista.
Temos dificuldades para compreender e comprovar esses planos distintos aqui no nosso próprio planeta, devido aos meios ainda precários que nossos centros científicos mais adiantados dispõem, quanto mais comprovarmos a vida inteligente em outros orbes, tanto do nosso sistema planetário, quanto de distintos sistemas espalhados por todo o Universo ou Multiverso como proposto por cientistas como o Prof. Michio Kaku da City University of New York.
Notícias como essa muitas vezes passam despercebidas pelas pessoas, mas refletindo, verificamos que muitos cientistas ao redor do nosso planeta dedicam grande parte do seu tempo a investigarem a certeza da vida inteligente fora desse pontinho minúsculo da Via Láctea denominado Terra. Falta "apenas" descobrir em que faixa vibratória encontram-se essas civilizações alienígenas.
Ronaldo São Romão Sanches, e-mail: ronaldosaoromao@gmail.com

sábado, 25 de maio de 2013

Cunhataíporã, do Pantanal de Mato Grosso do Sul

Linda canção composta por Geraldo Espíndola, na voz da Tetê Espíndola, com a participação do maranhense Zeca Baleiro. A música faz parte do álbum Piraretã lançado por Tetê em 1980 e o Zeca incluiu a canção no seu álbum Trilhas, lançado em 2010, que por sinal ficou com um arranjo muito bom, não deixe de ouvir as duas apresentações.
Abraço a todos.
Ronaldo



Cunhataiporã
Autor: Geraldo Espíndola
Onde você quer ir meu bem? 
Diga logo pra eu ir também 
Você quer pegar aquele trem 
É naquele trem que eu vou também 
É pra Ponta Porã 
Cunhataiporã cherô rai rô 
É pra Corumbá 
É lá que eu vou pegar um barco 
E descer o rio Paraguai cantando as canções 
que não se ouvem mais (1X) 
Pra onde você quer ir meu bem? 
Diga logo pra eu ir também 
Você quer pegar aquele trem 
E naquele trem que eu vou também 
É pra Ponta Porã 
Cunhataiporã cherô rain rô 
É pra Corumbá 
É lá que eu vou pegar um barco 
E descer o rio Paraguai cantando as canções 
que não se ouvem mais (1X) 
Pra onde você quer ir meu bem?!
fonte: http://www.radio.uol.com.br/#/letras-e-musicas/zeca-baleiro/cunhataipora/2330533

sábado, 23 de março de 2013

As origens do homem

Homo habilis (1,6 – 2,5 milhões de anos atrás)

Assunto muito interessante, as investigações sobre nossas origens.
Recebi um e-mail da HypeScience, postado pelo Guilherme de Souza com 10 espécies ancestrais que foram decisivas e colaboraram para que estivéssemos hoje nesse estágio evolutivo. Com certeza participamos dessa jornada.
O que vem pela frente? Devemos construir aqui e agora. 
A transformação hoje deve ser mais moral que física.
Vale a pena ler os comentários também.
Abraço
Ronaldo

sábado, 2 de junho de 2012

Bela frase de Bertold Brecht

" Há homens que lutam um dia e são bons, há outros que lutam um ano e são melhores, há os que lutam muitos anos e são muito bons. Mas há os que lutam toda a vida e estes são imprescindíveis"
(Bertold Brecht).
Esta frase nos estimula que façamos um auto-exame para ver como está a nossa vontade de lutar por aquilo que acreditamos.

Caminhada lenta, mas irreversível

Depois de um longo período de "hibernação", tive vontade de escrever e compartilhar sobre o artigo que li da Eliane Brum, jornalista e colunista da Revista Época.
O artigo, intitulado A coluna que (quase) ninguém lê, traz uma abordagem interessante sobre a indiferença da sociedade por temas importantes, mas que damos mínima atenção.
Nos comentários da revista, escrevi, á Eliane: 
"Você aborda dois assuntos diferentes, o ser marginalizado, que vive nas ruas das cidades e a degradação do meio ambiente e a forma de ocupação da floresta, ambos tratados com quase indiferença pela sociedade em geral e pelos legisladores, aqueles que infelizmente na hora de votar, não estamos conseguindo escolher da melhor forma, creio que por falta de consciência da força que o cidadão tem em suas mãos através da oportunidade de escolha dos seus representantes, como também pelo sistema viciado e carente de ampla reforma para aperfeiçoá-lo.
Propulsores de toda essa situação ainda vigente em pleno terceiro milênio são o egoísmo, o orgulho e a ambição.
Caminhamos, ainda que lentamente, mas de forma irreversível, para um futuro isento de desigualdades e violências, movidos pela valorização da fraternidade e do diálogo.
Parabéns pelo trabalho.
Grande abraço."
Todos podem acessar o artigo no link acima, no título do artigo e se quiserem ler outros artigos, acessem todas as colunas da jornalista.
Ótimo final de semana a todos.
Ronaldo

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Confraternização na FAMEZ/UFMS

Com um almoço super gostoso organizado pela Profa. Maria de Fátima, que de 1 a 10 mereceu a nota máxima, confraternizaram-se professores e técnicos-administrativos da FAMEZ, comemorando as realizações de 2011. Agradecidos a Deus por mais um ano, aproveitamos para desejar a toda família FAMEZ os votos de um Feliz Natal e Excelente 2012, com muita saúde, paz e prosperidade a todos, extensivo aos familiares.
Abaixo, algumas imagens registrando o evento.
Grande abraço a todos.
Ronaldo


























quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Pimentão é o vilão

A ANVISA divulga pesquisa que posiciona o pimentão como líder do ranking dos alimentos com o maior número de amostras contaminadas por agrotóxico, durante o ano de 2010. O morango e o pepino também tem números alarmantes. De acordo com o diretor da Anvisa, Agenor Álvares, "são dados preocupantes, se considerarmos que a ingestão cotidiana desses agrotóxicos pode contribuir para o surgimento de doenças crônicas não transmissíveis, como a desregulação endócrina e o câncer”.
Os produtos com mais amostras contaminadas são: 
Pimentão  91,80%
Morango  63,40%
Pepino  57,40%
Alface  54,20%
Cenoura  49,60%
Abacaxi  32,80%
Beterraba  32,60%
Couve  31,90%
Mamão  30,40%
Leia a matéria completa:


















































































































































































































segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Confraternização de Professores e Alunos do Mestrado em Desenvolvimento Local da UCDB.

Na noite do último sábado, dia 3 de dezembro de 2011, Professores e Alunos do Mestrado em Desenvolvimento Local da UCDB, juntamente com familiares, reuniram-se em agradável confraternização na Casa Colonial, em Campo Grande.
Momento de agradecermos a Deus as oportunidades de trabalho profícuo que tivemos neste ano de 2011 e nos prepararmos para os desafios do próximo ano.
A Professora Maria Augusta que coordenou o Programa nestes ultimos dois anos, passa a responsabilidade agora aos Professores Heitor e Josemar, que com o apoio de todos os Docentes e Alunos com certeza projetarão ainda mais o nome do Mestrado e da UCDB, possibilitando a realização de ideais de construção de um mundo melhor.
Aproveitamos o ensejo para agradecer a todos os Professores do Programa e a todos os colegas Mestrandos pelo muito que aprendemos e pelo convívio saudável e harmonioso, ao mesmo que tempo que desejamos a todos e extensivo aos familiares, um Bom Natal e excelente 2012.  Saúde e paz.
Grande abraço do
Ronaldo
Abaixo algumas imagens da noite agradável que tivemos. Presentes os professores: Maria Augusta de Castilho, Heitor Romero Marques, Arlinda Cantero Dorsa; Cleonice Alexandre Le Bourlegat, André Le Bourlegat e os Mestrandos: Aparecida Cristina Campello Curado Piccolo, Edilene Maria de Oliviera Araujo (da comissão organizadora do evento), Francisco Fausto Matto Grosso Pereira, José Celso Rocha Martins Junior, Luiz Carlos Saldanha Rodrigues Junior (representante dos alunos no Colegiado do Programa), Nadia Sater Gebara, Ronaldo São Romão Sanches/Rute e Valdenir Freitas Guimarães com amigos e familiares.